Planejando sair da casa dos pais? Dicas financeiras para quem vai morar sozinho

Quem nunca pesquisou no Google ‘Dicas financeiras para quem vai morar sozinho’? Esse é o sonho de muitas pessoas, finalmente sair da casa dos seus pais, e às vezes quando não é um sonho pode ser uma necessidade.

Anúncios

De qualquer forma, é um processo que necessita de planejamento e conhecimento financeiro. É um grande passo para qualquer um, uma mudança na rotina e em todas as áreas da sua vida. 

Envolve responsabilidade e disciplina, tanto antes de amadurecer a ideia quanto depois de realmente concretizar o processo.

Para que você não passe perrengues nesse processo, e possa viver a melhor experiência possível, vamos ver como você pode organizar suas finanças e alcançar sua liberdade.

Essas dicas ajudarão a criar uma base sólida para uma vida independente e financeiramente estável.

Dicas financeiras para quem vai morar sozinho

Muitas pessoas acreditam que passar aperto ou perrengue ao sair da casa dos pais é o normal, mas está muito longe de ser verdade.

Com algumas dicas financeiras para quem vai morar sozinho é possível que você fique tranquilo com bastante planejamento e organização no processo.

Anúncios

Vamos ver as dicas que separamos para você:

1 – Defina suas prioridades

A primeira das nossas dicas financeiras para quem vai morar sozinho é pensar no que você não quer abrir mão.

Por que passamos nossa vida toda vivendo no conforto da casa de nossos pais, então uma mudança brusca no padrão de vida e no que é importante para você pode ser difícil.

Então, defina as suas prioridades de uma vida morando sozinho, por exemplo, você quer uma casa com dois quartos? Você precisa de armários planejados em sua casa? 

Considere também o que não irá abrir mão, outro exemplo é: se os seus pais moram em um condomínio com piscina e academia, pense se isso é algo importante para você e se é uma prioridade para onde vai se mudar.

Defina também suas prioridades financeiras, identifique quais são suas despesas essenciais e quais são as secundárias. Por exemplo, o aluguel, contas de serviços públicos e alimentação são geralmente considerados despesas prioritárias, enquanto gastos com entretenimento podem ser secundários.

2 – Analise seus orçamentos

Comece a analisar suas condições financeiras, pense em quanto você ganha e se seria o suficiente para poder lidar com todos os gastos de manter uma casa sozinho.

Pergunte para os seus pais e amigos que já vivem dessa forma, pergunte como foi o processo e uma média de quanto eles gastam mensalmente.

Coloque em uma planilha todas as entradas e saídas que você possui no seu mês morando com os seus pais, para depois criar uma segunda planilha de quanto seria gasto para morar sozinho.

Calcule as despesas fixas como luz, gás, aluguel, água, alimentação e muito mais, calcule também o quanto vai sobrar para emergências ou seus hobbies.

3 – Entenda com o que gastar menos

Seus gastos morando sozinho serão diferentes do momento que ainda mora com seus pais, portanto será necessário identificar áreas em que você pode reduzir seus gastos.

Isso pode incluir cortar despesas desnecessárias, como assinaturas de serviços que você não utiliza com frequência, comer fora com menos frequência, comprar itens genéricos em vez de marcas caras, entre outras estratégias de economia.

Morar sozinho demandará muito mais controle psicológico e emocional do seu financeiro, para que você não faça compras impulsivas ou desnecessárias.

4 – Considere seu momento profissional

Seguindo nossas dicas financeiras para quem vai morar sozinho, é preciso considerar o momento profissional em que você se encontra.

Se você acabou de conseguir o seu primeiro emprego e ainda está decidindo por onde seguir na sua carreira, talvez esse não seja o melhor momento para buscar sua liberdade e sair da casa dos seus pais.

Caso esteja na faculdade, tente conseguir estágios e consolidar seu nome no mercado antes de querer morar sozinho. Nesse meio tempo vá juntando dinheiro e criando uma poupança com quantias interessantes.

Se você está começando uma carreira ou tem um emprego estável, isso influenciará suas decisões financeiras, como escolher um lugar para morar com um aluguel que seja compatível com sua renda.

5 – Faça uma reserva de emergência

Criar uma reserva de emergência é uma das melhores dicas financeiras para quem vai morar sozinho.

E esse processo deve ser feito antes de começar a mudança, já que é um dinheiro que não deve ser usado para qualquer ocasião, apenas em casos de emergências reais.

Deve ficar reservado para despesas inesperadas, como possíveis reparos surpresas no apartamento, assim como despesas médicas ou perda de emprego.

6 – Vá comprando as coisas aos poucos antes de sair de casa

Muitas pessoas acreditam que o cenário de alguém que vai morar sozinho precisa ser uma casa com no máximo um colchão e aos poucos você vai montando as coisas.

E dependendo da situação até pode ser, mas uma tática inteligente e que pode te favorecer no conforto e no financeiro a longo prazo é a de começar a comprar os itens essenciais antes de se mudar.

Isso ajudará a distribuir os custos ao longo do tempo e evitará ter que gastar muito dinheiro de uma só vez quando se mudar.

7 – Entenda o custo de vida da sua cidade

Pesquise e entenda o custo de vida na área onde pretende morar. Alguns lugares possuem aluguel mais alto do que outros, então você deve levar isso em conta antes de começar a pensar em morar sozinho.

Isso inclui não apenas o aluguel, mas também os preços dos alimentos, transporte, serviços públicos e outras despesas comuns. Ter uma compreensão clara do custo de vida ajudará a planejar seu orçamento de forma mais precisa.

8 – Prepare-se psicologicamente

Morar sozinho pode ser emocionalmente desafiador, especialmente quando se trata de lidar com as responsabilidades financeiras. Prepare-se psicologicamente para as mudanças e desafios que podem surgir, mantendo uma atitude positiva e aberta para aprender e se adaptar.

Com essas dicas financeiras para quem vai morar sozinho, você poderá estar um pouco mais preparado para o que vem a seguir. É claro que pode ser difícil no começo, financeiramente e emocionalmente, mas recompensador também.